Vinho sem uva?

“Vende-se vinho sem uvas. Sem levedura. Sem fermentação”. Parece brincadeira, mas é sério.

Dois amigos, chamados Mardonn Chua and Alec Lee, formados em biotecnologia pela University of British Columbia, no Canadá, fundaram uma vinícola, em São Francisco, nos Estados Unidos.

O objetivo deles é recriar grandes vinhos, sem, contudo, utilizar uvas ou processos de fermentação. Eles querem recriar a experiência, sem que seja necessário repetir o processo. Estranho? Sem dúvida.

Eles fazem uma analogia com a arte. A Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, é obviamente única. Mas suas réplicas mundo afora também são relevantes. Elas não existiriam, se também não produzissem algum efeito positivo sobre quem as vê. Elas não existiriam se não tivessem função. Elas servem, de alguma forma, para democratizar o acesso à obra de Leonardo da Vinci.

Assim, eles se propõem a criar réplicas de grandes vinhos, de qualidade e renome. Como? A partir da análise do perfil molecular dos grandes ícones do mundo do vinho, inacessíveis ao bolso da grande maioria dos enófilos.

Mas será que é possível, criar um vinho sem uva? Eles juram que sim. Em sua primeira experiência, eles recriaram um vinho branco, juntando ingredientes:

 Ácidos tartárico e málico, para o frescor e a acidez

 Taninos para a sensação de adstringência

 Glicerina vegetal para o corpo do vinho e um pouco de doçura

 Álcool, para estruturar e equilibrar acidez e açúcar

Para que essa mistura de componentes tivesse gosto de vinho branco, eles acrescentaram:

 Etil-hexanoato, que lembra o cheiro de abacaxi

 Butanoato, com forte cheiro de suco de uva

 Limoneno, com cheiros cítricos como de limão

 Acetoína, que cheira como manteiga derretida

Os ingredientes foram sendo ajustados em suas proporções, até que o resultado, após mais de 15 formulações diferentes, foi uma bebida que, segundo seus criadores, já era aceitável, apesar de ainda não ser um bom vinho. Mas eles concluíram que era possível fazer vinho acrescentando compostos químicos, um a um, a partir de ingredientes facilmente disponíveis e utilizáveis, todos seguros para o consumo.

Meses se passaram, e eles conseguiram criar uma bebida que, segundo os mesmos, imita o sabor de um italiano Moscato D’Asti.

E eles estipularam um novo objetivo, para lá de desafiador: recriar um espumante, usando como referência um dos Champagnes mais conhecidos, por todos os amantes do vinho, o Dom Pérignon.

Polêmico? Muito. Até porque, ao retirar a uva do processo, essa bebida deixou de ter, também, a história da humanidade por trás de si, a cultura e a tradição do povo que a produz, o terroir de onde ela vem, e todo o charme que só o vinho, de verdade, carrega consigo.

A seu favor, os sócios empreendedores dizem que a bebida que eles irão oferecer será substancialmente mais barata, pois não haverá a necessidade de se cultivar uvas, e depois vinificá-las, em processos às vezes bastante longos.

A grande dúvida é: essa bebida poderá ser chamada de vinho? Pouco provável, tendo em vista as regras rígidas para o uso desse termo, nos mais diversos países, e é claro, na União Europeia.

Para encerrar, vale a ressalva de que a imitação que eles apresentaram, de um Moscato D’Asti, não teve uma performance tão boa assim, em um teste cego com especialistas. Se quiser ler sobre o verdadeiro Moscato D’Asti, um vinho típico da região do Piemonte, clique aqui.




Quem somos

 

O Tintos&Tantos nasceu em 2013, e em seu pouco tempo de vida, já se tornou uma referência no mercado editorial de vinho, nacional e internacionalmente.

 

Para contar quem somos, primeiro vamos dizer quem nós não somos. Não somos um blog de vinhos. Não somos críticos de vinhos.

 

O Tintos&Tantos é um portal de Internet, que dá acesso a um conteúdo editorial, de produção própria, inteiramente dedicado ao mundo do vinho. 

 

Nossa contribuição é prover informação imparcial, relevante e gratuita.  Sempre em linguagem acessível e agradável de ler.

 

O intuito do Tintos&Tantos é o de fomentar o estudo, o interesse, a crítica, e até mesmo a polêmica a respeito do vinho.

 

Nosso foco não é competir com outros geradores de conteúdo, pelo contrário: ao sermos mais um agente no desenvolvimento desse mercado, e na consolidação dessa cultura, todos nós, apaixonados por vinho, ganhamos: consumidores, editores especializados, blogueiros, youtubers, produtores, importadores, sommeliers, enólogos e enófilos em geral...

 

Na nossa opinião, quanto mais gente do bem estiver falando sobre o mundo do vinho, com respeito e profissionalismo, melhor para todos nós.

 

Assim, é com imensa satisfação que criamos conteúdo diário e interagimos com cada leitor, através dos nossos canais de comunicação e de mídias sociais. 

 

No Facebook (www.facebook.com/tintosetantos), por exemplo, onde tantos amigos nos acompanham, é com orgulho que constatamos ser, o Tintos&Tantos, a maior página do Facebook, no mundo, em sua categoria! Uma comunidade de pessoas curtindo, comentando, se divertindo, aprendendo e ensinando, concordando e discordando... Todos nós, apaixonados pelo maravilhoso universo que cerca o vinho.

 

Não somos donos da verdade. Na verdade, recomendamos fortemente que se duvide de qualquer um que diga conhecer tudo sobre vinhos.

 

Esperamos que você aprecie e que continue nos acompanhando, e sempre que possível, ajudando na divulgação e propagação desse projeto, cujo foco será sempre você, vinhonauta!

 

A você, o nosso muito obrigado!

A você, o nosso brinde!

 

Em caso de dúvida, crítica ou sugestão, entre em contato pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.