Vinhas jovens ou vinhas velhas?

Assim como a panela da música, será que vinha velha é que faz bebida boa? Vamos entender...

Em primeiro lugar, um conceito: uma vinha é considerada jovem até os seus 15 anos de idade. E a partir dos 40, às vezes até antes, já começa a ser considerada velha. Mas, como não existe uma legislação que regule esses termos, cabe ao produtor decidir se, e como, usará essa informação em seus rótulos.

Ah, e quanto uma vinha vive? Às vezes, até mais de 120 anos, mas são casos relativamente raros.

 Agora, vamos aos fatos.

Nos primeiros dois ou três anos de vida, a videira está ocupada demais, criando o seu sistema de raízes e formando fortes caules. Por conta disso, uma videira recém-plantada demora uns quatro anos até que seus primeiros frutos possam ser colhidos para a produção de vinho.

Antes de completar seis anos de vida, a vinha se estabiliza, e está pronta para produzir uvas cada vez mais saborosas.

Mas o sistema de raízes das vinhas vai se modificando, e muito, ao longo do tempo. Na medida em que uma vinha envelhece, suas raízes principais penetram mais profundamente na terra.

E quanto mais complexo o sistema de raízes, mais a planta consegue regular o excesso de água e nutrientes, o que favorece a concentração e a complexidade de sabores.

 Qual o princípio disso?

Videiras jovens têm raízes muito rasas, e por conta disso ficam muito suscetíveis às variações pluviométricas. Em uma estação chuvosa, raízes sugando a água da superfície podem diluir os compostos das polpas, e, teoricamente, os sabores tendem a ficar pouco concentrados. E, durante a seca, essas videiras mais jovens tendem a sofrer de falta de água.

Já as vinhas mais velhas têm raízes profundas que costumam chegar até as reservas de água no subsolo, e são menos afetadas por essas variações pluviométricas, já que suas raízes não dependem da água de superfície, e nem são tocadas por essa água durante uma tempestade. Do mesmo modo, a profundidade do sistema radicular permite também alcançar e absorver nutrientes mais ricos do subsolo profundo, que também é menos impactado por quaisquer produtos químicos da superfície do solo.

 Então pronto: Quanto mais velha a vinha, melhor o vinho? Depende...

Em Bordeaux, as videiras precisam de pelo menos 10 ou 15 anos para produzir a uva perfeita e um grande vinho. Eventualmente, uma videira de 4 anos, nessa região, pode até produzir um bom vinho, quando sob um rígido controle de produtividade, mas raramente esse será um vinho espetacular.

Já na Califórnia, uma vinha jovem, de 4 anos, pode sim ser a responsável por um vinho fantástico. Esse é um fato amplamente conhecido pelos produtores, mas pouco divulgado, pois contraria profundamente a sabedoria convencional em voga.

 E por que acontece essa diferença?

Porque em muitas regiões viníferas da Europa, a chuva é a única fonte de água permitida, de modo a manter as características naturais do terroir. Para ler mais sobre terroir, clique aqui.

Mas em locais onde a irrigação é permitida, como na Califórnia, você dá às vinhas jovens, durante a seca, toda a água de que elas precisam, já que elas ainda não alcançam reservas profundas de água que existe no subsolo. E raramente as vinhas sofrem com excesso de chuvas, pois o clima local é seco.

Então, é assim. Vinha velha é, sim, uma boa condição, para um bom vinho. Mas não é imprescindível. Vinhos incríveis podem, sim, ser frutos de vinhas jovens. Abaixo o preconceito! E viva o vinho!




Você está em

Quem somos

 

O Tintos&Tantos nasceu em 2013, e em seu pouco tempo de vida, já se tornou uma referência no mercado editorial de vinho, nacional e internacionalmente.

 

Para contar quem somos, primeiro vamos dizer quem nós não somos. Não somos um blog de vinhos. Não somos críticos de vinhos.

 

O Tintos&Tantos é um portal de Internet, que dá acesso a um conteúdo editorial, de produção própria, inteiramente dedicado ao mundo do vinho. 

 

Nossa contribuição é prover informação imparcial, relevante e gratuita.  Sempre em linguagem acessível e agradável de ler.

 

O intuito do Tintos&Tantos é o de fomentar o estudo, o interesse, a crítica, e até mesmo a polêmica a respeito do vinho.

 

Nosso foco não é competir com outros geradores de conteúdo, pelo contrário: ao sermos mais um agente no desenvolvimento desse mercado, e na consolidação dessa cultura, todos nós, apaixonados por vinho, ganhamos: consumidores, editores especializados, blogueiros, youtubers, produtores, importadores, sommeliers, enólogos e enófilos em geral...

 

Na nossa opinião, quanto mais gente do bem estiver falando sobre o mundo do vinho, com respeito e profissionalismo, melhor para todos nós.

 

Assim, é com imensa satisfação que criamos conteúdo diário e interagimos com cada leitor, através dos nossos canais de comunicação e de mídias sociais. 

 

No Facebook (www.facebook.com/tintosetantos), por exemplo, onde tantos amigos nos acompanham, é com orgulho que constatamos ser, o Tintos&Tantos, a maior página do Facebook, no mundo, em sua categoria! Uma comunidade de pessoas curtindo, comentando, se divertindo, aprendendo e ensinando, concordando e discordando... Todos nós, apaixonados pelo maravilhoso universo que cerca o vinho.

 

Não somos donos da verdade. Na verdade, recomendamos fortemente que se duvide de qualquer um que diga conhecer tudo sobre vinhos.

 

Esperamos que você aprecie e que continue nos acompanhando, e sempre que possível, ajudando na divulgação e propagação desse projeto, cujo foco será sempre você, vinhonauta!

 

A você, o nosso muito obrigado!

A você, o nosso brinde!

 

Em caso de dúvida, crítica ou sugestão, entre em contato pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.