O renascimento da Carmenère

Era uma vez uma uva, que foi extinta. Mas a história não acaba por aí...

A Carmenère é um uva originária da região de Bordeaux, que foi dada como extinta pela praga da filoxera, mal que acometeu os vinhedos europeus no final do século 19. Se quiser ler mais sobre a filoxera, como o problema aconteceu e como foi superado, clique aqui.

Pois bem. Começamos o século 20 sem a Carmenère, que era uma das grandes castas de Bordeaux. Vivemos praticamente o século todo sem a Carmenère. Até 1994.

Em 24 de novembro de 1994, um ampelógrafo francês chamado Jean-Michel Boursiquot, estava no Chile para o Congresso Sul-Americano de Viticultura e Enologia. E, em visita a um vinhedo local, identificou que, entre as vinhas de Merlot, encontravam-se, misturadas, vinhas de Carmenère.

Vale comentar que Boursiquot nunca tinha visto, pessoalmente, vinhas de Carmenère, já que estavam teoricamente extintas há um século. Mas ele conhecia suas folhas, conservadas, em algumas coleções. Se quiser ler mais sobre o estudo das folhas da videira, chamado ampelografia, clique aqui.

Merlot e Carmenère estavam de tal forma misturadas nos vinhedos do Chile, ambas sendo classificadas como Merlot, que uma inclusive prejudicava a outra. Com tempos de maturação da uva absolutamente diferentes, ou a Carmenère era colhida ainda verde, ou a Merlot era colhida muito madura. E esses vinhos chilenos, rotulados à época como Merlot, acabavam tendo sua qualidade comprometida, por conta disso.

Tanto isso é verdade, que o termo Merlot Chileno era usado, na época, de maneira depreciativa, quando comparado ao termo Merlot Francês. Considerava-se esse tal Merlot Chileno uma mutação, de menor qualidade, do “verdadeiro” Merlot.

Depois da descoberta de Boursiquot, e da devida separação dos vinhedos, claro que esse problema acabou. A partir daí, foi possível colher Merlot em seu ponto ideal de maturação, produzindo excelentes vinhos, e colher Carmenère também somente no momento certo, produzindo o vinho que se tornou um dos símbolos do Chile, para a alegria de chilenos e, é claro de enófilos do mundo inteiro.

Ironicamente, não foi difícil separar as vinhas, umas das outras. Carmenère tem uma característica específica, que inclusive justifica seu nome. Suas folhas, antes de caírem durante o outono, adquirem a cor carmin.

E por que Bordeaux  não voltou a cultivar Carmenère? Porque ela é uma uva que demora tanto a amadurecer, que, em Bordeaux, ela acaba enfrentando períodos de chuva e perdendo qualidade. Mas, não no Chile, onde ela encontrou as condições climáticas ideias para se adaptar maravilhosamente bem. Ainda bem.

E por que a filoxera não atingiu os vinhedos do Chile? Porque lá as vinhas estão protegidas por barreiras naturais: o deserto do Atacama ao norte, a Antártida ao sul, a Cordilheira dos Andes ao leste e o Oceano Pacífico, a oeste. Mais uma vez, ainda bem...




Quem somos

 

O Tintos&Tantos nasceu em 2013, e em seu pouco tempo de vida, já se tornou uma referência no mercado editorial de vinho, nacional e internacionalmente.

 

Para contar quem somos, primeiro vamos dizer quem nós não somos. Não somos um blog de vinhos. Não somos críticos de vinhos.

 

O Tintos&Tantos é um portal de Internet, que dá acesso a um conteúdo editorial, de produção própria, inteiramente dedicado ao mundo do vinho. 

 

Nossa contribuição é prover informação imparcial, relevante e gratuita.  Sempre em linguagem acessível e agradável de ler.

 

O intuito do Tintos&Tantos é o de fomentar o estudo, o interesse, a crítica, e até mesmo a polêmica a respeito do vinho.

 

Nosso foco não é competir com outros geradores de conteúdo, pelo contrário: ao sermos mais um agente no desenvolvimento desse mercado, e na consolidação dessa cultura, todos nós, apaixonados por vinho, ganhamos: consumidores, editores especializados, blogueiros, youtubers, produtores, importadores, sommeliers, enólogos e enófilos em geral...

 

Na nossa opinião, quanto mais gente do bem estiver falando sobre o mundo do vinho, com respeito e profissionalismo, melhor para todos nós.

 

Assim, é com imensa satisfação que criamos conteúdo diário e interagimos com cada leitor, através dos nossos canais de comunicação e de mídias sociais. 

 

No Facebook (www.facebook.com/tintosetantos), por exemplo, onde tantos amigos nos acompanham, é com orgulho que constatamos ser, o Tintos&Tantos, a maior página do Facebook, no mundo, em sua categoria! Uma comunidade de pessoas curtindo, comentando, se divertindo, aprendendo e ensinando, concordando e discordando... Todos nós, apaixonados pelo maravilhoso universo que cerca o vinho.

 

Não somos donos da verdade. Na verdade, recomendamos fortemente que se duvide de qualquer um que diga conhecer tudo sobre vinhos.

 

Esperamos que você aprecie e que continue nos acompanhando, e sempre que possível, ajudando na divulgação e propagação desse projeto, cujo foco será sempre você, vinhonauta!

 

A você, o nosso muito obrigado!

A você, o nosso brinde!

 

Em caso de dúvida, crítica ou sugestão, entre em contato pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.